0800 773 6099
24 horas por dia, todos os dias do ano

Faturas Online Serviços Online

Rede de Distribuição

Focados sempre na segurança da população e na distribuição contínua do gás natural canalizado, construímos redes de distribuição a partir de materiais rigorosamente inspecionados, seguindo as normas técnicas nacionais e internacionais. O monitoramento destas redes é realizado por meio de um dos mais modernos sistemas de supervisão do país.
Conheça os elevados padrões de qualidade em construção e monitoramento da GasBrasiliano.

Projetos

Com base no levantamento do mercado potencial, o traçado inicial das redes é projetado por meio de imagens aéreas digitais. Ainda nesta primeira etapa, já existe uma preocupação da engenharia com relação às interferências naturais que podem ocorrer (desvio da tubulação de regiões suscetíveis a alagamentos e erosão, áreas de preservação permanente, etc), sendo então originado o projeto básico.

Após a conclusão do projeto básico, passa-se para a fase do detalhamento e elaboração do projeto executivo onde, em campo, é realizado um estudo detalhado do traçado, com definição do local em que será instalada a tubulação. Esse detalhamento consiste na pesquisa do tipo de solo com execução de sondagens, verificação da viabilidade técnica dos cruzamentos e travessias com rodovias, ferrovias, rios, entre outros.

Todos os projetos seguem padrões de normas nacionais e internacionais como:

  • NBR 1271: Projeto de Sistemas de Transmissão e Distribuição de Gás Combustível
  • NBR 14462: Sistemas para distribuição de gás combustível para redes enterradas
  • ANSI/ASME B31.8: Gas Transmission and Distribution Piping Systems
  • AGA (American Gas Association) – GPTC – Guide for Gas Transmission and Distribution Piping Systems – 1990-91
  • API 5L: Specifications for Line Pipe
  • API 6D: Specification for Pipeline Valves (Gate, Plug, Ball and Check Valve)
  • API 1104: Welding of Pipelines and Related Facilities
  • ANSI/ASME B16.9: Factory Made Wrought Steel Buttwelding Fittings
  • ANSI/ASME B16.25: Buttwelding Ends
  • ANSI/ASME B16.34: Valves – Flanged, Threaded, and Welding End
  • DIN 30.670: Revestimento em polietileno para proteção passiva de superfície externa de tubos de gás.
  • Manuais do DAEE – Departamento de Águas e Energia Elétrica, DER – Departamento de Estradas e Rodagem, DNIT – Departamento Nacional de Infraestruturas de Transportes, além das próprias especificações técnicas da GasBrasiliano.

 

Licenças

Após a definição do traçado da Rede de Distribuição, são realizados os Estudos Ambientais necessários para a confirmação da adequação ambiental do empreendimento. Além dos Estudos para avaliar os impactos ambientais da implantação da rede, são também realizados Estudos de Análise de Riscos e Diagnósticos Arqueológicos para que se possa ter a correta avaliação da segurança das redes e da necessidade de ações voltadas à proteção do patrimônio histórico e artístico nacional.

Os Estudos Ambientais, bem como os Estudos de Análise de Riscos e o Diagnóstico Arqueológico, são realizados conforme requisitos definidos pelo Órgão Ambiental do

Estado de S. Paulo (CETESB) e pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

A partir destes Estudos, é possível então o requerimento e a obtenção da Licença Ambiental Prévia, que é o documento que atesta a viabilidade ambiental da Rede De Distribuição e que traz consigo condicionantes ambientais que deverão ser cumpridas para a continuidade do processo de Licenciamento Ambiental.

O próximo passo é o requerimento da Licença de Instalação. A sua obtenção depende do cumprimento de todas as condicionantes definidas pela Licença Prévia, além da obtenção de outras autorizações necessárias, tais como autorizações junto aos proprietários de áreas particulares por meio de Decretos de Utilidade Pública ou acordos amigáveis, de cruzamentos das rodovias e ferrovias junto às Concessionárias responsáveis e de qualquer outra obra de arte que possa interferir com a Rede de Distribuição.

Ao final da construção da Rede de Distribuição, deve ainda ser obtida a Licença de Operação (L.O.), que permite o início da distribuição da Rede construída. Nesta fase, a GasBrasiliano deve comprovar que cumpriu todas as etapas de construção previstas no projeto e todas as condicionantes previstas nas Licenças Prévia e de Instalação.

 

Construção da rede

O Sistema de Distribuição de gás natural canalizado é composto de Estações de Transferências de Custódia (ETC), Estações de Odorização (EO), Estações de Controle de Pressão (ECP), Redes de Aço, Redes de Polietileno e Conjuntos de Regulagem e Medição (CRM).

O gás natural chega à área de concessão da GasBrasiliano por meio do Gasoduto Bolívia Brasil (GASBOL) nas Estações de Transferência de Custódia, também chamado de City Gate. O gás é recebido em alta pressão e sem odor. No início da distribuição, de responsabilidade da GasBrasiliano, é instalada uma válvula de bloqueio automático, sendo que, em caso de necessidade, o fluxo do gás é interrompido remotamente pelo Centro Operativo da GasBrasiliano. Outro fator de segurança da rede é a instalação do sistema de odorização, responsável em inserir o odorante (“cheiro”) no gás natural. Este processo possibilita que, em caso de um vazamento, o gás seja rapidamente identificado pela presença do odor no local.

A rede primária, composta de tubulação de aço e conjuntos de válvulas de bloqueio, é a responsável em levar o gás natural a partir da Estação de Odorização (EO) até as Estações de Controle de Pressão (ECP), localizadas nas cidades onde o gás é distribuído. Preferencialmente, a rede primária é projetada na faixa non aedificandi das rodovias que interligam os municípios, possibilitando fácil acesso.

A profundidade de aterramento mínima é de 1,50 metros a partir da geratriz superior do tubo. Nos locais de áreas de preservação permanente, em especial as travessias de rios, além de cruzamentos de rodovias e ferrovias, a GasBrasiliano optou em instalar a tubulação pelo método não destrutivo, que consiste na perfuração dirigida sem a necessidade de abertura de vala, preservando toda área onde a tubulação é instalada. E para garantir a integridade da rede, ao longo de toda sua extensão é colocada uma fita de alerta com os dizeres “ATENÇÃO - TUBO DE GÁS”, instalada a 50 centímetros de profundidade.

Esta fita tem a função de alertar terceiros da existência do tubo de gás para o caso de escavações no local. Outro fator de segurança é a instalação da sinalização aérea por meio de marcos de concreto, informando que no local há tubulação de gás e o telefone de emergência da GasBrasiliano para caso de necessidade.

Os marcos estão localizados ao longo de todo o trajeto da tubulação, com uma distância máxima de 300 metros um do outro, e também nas mudanças de direção, nas travessias e cruzamentos. Válvulas de bloqueio do fluxo de gás também são instaladas sistematicamente ao longo da tubulação para facilitar a operação do sistema e acionamento em caso de emergência. Junto ao projeto da Rede Primária, a GasBrasiliano optou por investir na instalação de um o cabo de fibra ótica, cuja finalidade é transportar os sinais de pressão, temperatura e vazão. Estes sinais vão fazer parte do gerenciamento do sistema de operação da rede e contribuir para sua segurança.

Já no município em que o gás será distribuído, localiza-se a Estação de Controle de Pressão (ECP), responsável por reduzir a pressão do gás recebida da rede primária. A ECP dá início à distribuição dentro da cidade por meio da rede secundária composta, preferencialmente, de tubulação de polietileno de alta densidade e conjunto de válvulas de bloqueio.

Para segurança e conforto da população, a GasBrasiliano definiu construir toda tubulação da rede secundária pelo método não destrutivo (PND). Este método possibilita a instalação da rede com pequenas valas a cada 100 metros de distância, onde a tubulação de polietileno é introduzida. Comparando-se com o método tradicional de abertura de vala, há ganho em termos de rapidez na execução dos serviços e principalmente na segurança dos pedestres e veículos que circulam no local, evitando-se acidentes em decorrência das valas contínuas e de grande profundidade.

Marcos plásticos de sinalização, os chamados “tachões”, são instalados a cada 30 metros, ao longo de toda rede secundária. Esse tachão tem a indicação de que no local está instalada uma tubulação de gás natural e traz o telefone da Central de Atendimento da GasBrasiliano para o caso de necessidade.

A fibra ótica também é instalada nos principais trechos da rede secundária, permitindo o monitoramento do sistema operativo. Para ligação dos clientes, tanto residenciais, comerciais como industriais, é executado um ramal que deriva da tubulação da rede secundária até a divisa da propriedade, onde é instalado o Conjunto de Regulagem e Medição (CRM). Em cada ramal é instalada uma válvula de bloqueio para segurança do consumidor em caso de emergência.

Após conclusão do projeto da rede secundária, o desenho de como a tubulação foi construída, detalhes de localização, profundidade etc, ou seja, o cadastro da rede chamado de As Built, é divulgado para a Prefeitura e Concessionárias de Serviços Públicos locais para que haja conhecimento da localização da tubulação de gás natural para casos de realização de obras nestes locais. Acompanhado do As Built, a GasBrasiliano realiza treinamentos de segurança com as equipes que trabalham em campo divulgando os cuidados necessários com as obras próximas à tubulação de gás para a prevenção de incidentes.

 

Monitoramento

Investindo sempre na confiabilidade e segurança do sistema de distribuição do gás natural, a GasBrasiliano desenvolveu seu próprio Sistema Supervisório, um dos mais modernos sistemas de supervisão do país.

No Centro Operacional (CO), localizado na cidade de Araraquara-SP, foi instalado o sistema SCADA (Supervisory Control And Data Acquisition), que recebe em tempo real as informações das redes operativas de forma rápida, precisa e segura na aquisição de dados por meio dos sinais de pressão, temperatura e vazão transportadas pelo cabo de fibra ótica instalado ao longo da tubulação.

O recebimento desses sinais em tempo real permite que, no caso de qualquer alteração causada por uma falha ou ação de terceiro na rede, os técnicos possam intervir rapidamente restabelecendo as condições de segurança da tubulação.

No CO de Araraquara foram montados equipamentos de última geração, tais como servidores redundantes que fazem a aquisição e o tratamento dos dados, roteadores que fazem a interface entre o Sistema Supervisório e as estações e clientes e, na falta de energia elétrica, um grupo gerador é acionado com uma autonomia de 24 horas para garantir o recebimento das informações.

Além de todo este sistema de supervisão, a GasBrasiliano disponibiliza equipes que percorrem diariamente as redes primárias e secundárias monitorando o estado de conservação da sinalização, riscos com erosões, as condições de acesso às válvulas de bloqueio,  entre outros. Tudo pensando na segurança.